• pt-br
  • en
  • fr

    Tags:      18 -    Comentários

Mariana Teodoro

Vazio, tristeza e desgosto são sentimentos comuns quando um relacionamento amoroso chega ao fim. E para quem leva o fora, a dor ainda é maior. Embora pareça que o mundo tenha desabado sobre a cabeça, é possível dar a volta por cima da situação sem carregar marcas. Para isso, basta colocar em prática duas recomendações: ter paciência para deixar o tempo apagar as mágoas e investir em atitudes positivas. 

Para o psicólogo e pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) Thiago de Almeida, especialista em dificuldades do relacionamento amoroso, viver o período de luto após o término da relação é importante para a cicatrização das feridas. Segundo o especialista, grande parte das pessoas que termina o namoro ou o casamento sobrevive ao turbilhão de emoções depois de passar por um ciclo de cinco fases.

A primeira etapa é caracterizada pela negação. “No começo, é difícil aceitar o fim”, diz. Depois, vem a raiva. “Geralmente, quem foi deixado ou traído passa a sentir ódio do outro”. Em pouco tempo, o coração pode ficar confuso e, por desespero, recorre-se à barganha. “A pessoa pede a Deus e ao universo que o(a) ex volte”. Mas quando cai a ficha de que não há milagre, bate a depressão. Essa fase de dor profunda precede a última etapa do ciclo, a aceitação. “Finalmente, a pessoa compreende o que aconteceu e se sente recuperada para seguir adiante”, afirma Almeida.

Outro especialista no assunto, o psicólogo Ailton Amélio ressalta que preencher o vazio do término com um novo relacionamento nem sempre é a melhor saída. “É preciso cautela porque, geralmente, a pessoa está em um momento de desequilíbrio emocional. E, sem discernimento, acaba escolhendo parceiros errados para se relacionar novamente”. O psicólogo acrescenta que é mais saudável chegar a um patamar de estabilidade para, então, começar outra relação séria.

A dificuldade em recuperar as boas emoções nesse tempo de espera pode ser atenuada com iniciativas positivas. Segundo Almeida, manter distância do(a) ex é uma forma de se afastar do sofrimento. “Não é recomendável ficar em contato com o(a) ex no intuito de achar que aquilo vai render uma futura volta. O melhor é deixar que as coisas se ajeitem naturalmente.”

Já Amélio afirma que nesse período o mais importante é preocupar-se com a auto-estima. “Quando alguém é rejeitado, a autoconfiança vai pra baixo. É importante voltar-se para si.” Cuidar da aparência, sair com os amigos, fazer atividade física e ler bons livros são práticas que podem ajudar. Por outro lado, diz o especialista, deve-se evitar a idealização do antigo relacionamento. “Se terminou, é porque não tinha mais jeito.”

Quanto aos casais que moravam juntos, a maior dificuldade é preencher o buraco deixado na rotina. “Os projetos são desestruturados. A pessoa não sabe mais para onde vai porque os programas eram feitos com o parceiro(a). Nesses casos a ajuda de um psicólogo é fundamental.”

Apesar de ser mais fácil sair de uma relação nos dias de hoje, muitos casais não conseguem colocar um ponto final na sua história. Segundo Almeida, algumas pessoas empurram o relacionamento com sacrifício e só terminam quando “explode uma bomba”. “Essa é uma atitude egoísta. No caso de traição, por exemplo, a infidelidade não acontece do dia para noite. O amor acabou antes”, afirma.

Por isso, é bom ficar atento. “Se houver desrespeito, insensibilidade, longos períodos sem relações sexuais, queda de afetividade e romantismo é um sinal de alerta que o amor esta chegando ao fim”, conclui Amélio. 

18 Comentários
  • Adriana Chaves

    20 de maio de 2011 às 19:16

    Uma vez conversei com um médico que cuidava de pacientes com HIV. Ele deu esses mesmo 5 passos pelos quais, segundo ele, os pacientes que se descobriam com o vírus passavam. Com o tempo percebi que essas etapas estão, em maior ou menor escala, em diversos momentos de nossa vida. Foi bom relembrar.

  • Priscila

    20 de maio de 2011 às 20:02

    Muito bom… essas fases são realmente necessárias e depois de passar por elas você realmente superou. Adorei o texto!

  • adilson Molina Carrilo

    23 de maio de 2011 às 15:52

    Sempre acompanho noticias de Abilio Diniz, sou seu fã, só fico imaginando a responsabilidade que pesa em seus ombros. O quanto gera de riqueza para a nação brasileira. Empregos e Impostos recolhidos. Parabéns, saúde e vida longa para toda famíla Pão de Açúcar.

  • Junior

    24 de maio de 2011 às 12:59

    Bom saber um pouco mais sobre este assunto. Estou passando pela última fase de uma separação q p mim foi dolorosa. Um relacioanemtno de 2 anos e meio q acabou sem muitos motivos e q nos deu um filho hj com 7 anos. Convivo um pouco com ela por causa do menino q é uma benção na minha vida. Vai passar.

  • adriana

    25 de maio de 2011 às 22:56

    Ajuda muito a entender e aceitar a situação.Estou vivendo isso agora, um relacionamento de 6 anos está chegando ao fim,não quero separar mas sei que é o melhor.A dor da casa vazia é insuportável mas sei que em algum momento chegará o fim.

    • Vanessa

      3 de julho de 2015 às 16:36

      Estou passando por isso agora, na fase da negação. Estou quase morta por dentro. O sentimento de culpa é terrível, fico achando que eu fiz tudo errado. A casa fica vazia e eu me sinto muito só, que dor terrível.

  • Alexandre

    31 de maio de 2011 às 20:38

    Passei por todas essas fases. Agora é ela que quer voltar, temos um filho é o q ta pesando muito. Já passei isso com meus pais e não queria isso pra mim, mas foi ela que decidiu sair de casa e ficar com outro, agora estou feliz sozinho e ela quer voltar eis a questão !!!!!!!!

  • Izabelle Carneiro

    4 de junho de 2011 às 16:36

    Adorei esse artigo.Me ajudou a entender melhor pelo que estou passando. E o quanto tudo isso é natural e necessário.Ainda bem, que já cheguei na úlitma fase e estou muito bem.

  • maria

    1 de outubro de 2011 às 17:24

    Tenho um relacionamento de 27 anos, sou consrvadora e tipo cuidadosa com o marido, descobri a quatro meses que ele tem um caso com uma mulher casada e esse caso já faz uns dois anos, estou começando a primeira fase, é muito difícil, não gostaria de ficar sem ele, vou seguir suas dicas.

  • BENILSON MENDES

    18 de maio de 2012 às 18:56

    agora vou relaxar,e manter a regra do amor…..

  • EDYLAINE CESCO

    21 de maio de 2012 às 11:11

    ESSE SITE É MARAVILHOSO!!!

  • Van

    17 de junho de 2015 às 22:55

    Realmente é difícil superar, a primeira fase para mim é a pior . É difícil para mim aceitar um fim que não tem motivos simplesmente não se damos bem e nossas brigas acabam nos machucando muito.

    • JOZIEL GIRAO

      7 de julho de 2015 às 10:48

      Acontecia exatamente a mesma coisa comigo, as idéias não batem e as brigas e ofensas se tornaram rotina.
      Não posso dizer que não amo, vivemos 15 anos juntos e temos 2 filhos, batalhamos por uma vida melhor, foi tudo muito sofrido e passamos por tudo juntos…

  • Toninho

    11 de agosto de 2015 às 13:55

    Estou para passar todas as fases e pedindo a Deus discernimento, pois temos dois filhos (05 e 02 anos). Estou em acompanhamento psicológico, o que ajuda e muito, pois às vezes me sinto perdido, confuso, com medo de como será o amanhã e o aconselhamento de um profissional é muito valioso. Tenho receio de que meus filhos se distanciem de mim e que sofram algum tipo de trauma.

  • Maxwell

    21 de agosto de 2015 às 16:14

    Será que realmente existe o amor ? É dificil acreditar que realmente existe ou existiu quando você passa anos ao lado de uma pessoa e da noite para o dia ela exclui você da vida dela, esta pessoa passa a ser uma estranha, como pode alguém que você convive anos e você não enxerga mais aquela pessoa que você conheceu no inicio do relacionamento. São raras as pessoas que desejam consertar o casamento, a maioria prefere trocar e quebrar a cara de novo. Ninguém é de ninguém e tudo na vida é temporário !!!

  • Silva

    23 de dezembro de 2016 às 22:55

    Exatamente tudo que eu passei. Explicou tudo q me aconteceu. Agora estou na fase de aceitação e tô muito bem .

  • Rosana

    16 de janeiro de 2017 às 14:57

    Começei o processo agora, tendo em vista que jah tinha passado ppr isso outras duas vezes e com a mesma pessoa, incrivel a dor e as etapas são as mesmas de sempre

  • PAULO VICENTE

    24 de fevereiro de 2017 às 23:40

    Estou na terceira fase da aceitação, mas de vez quando bate uma fraqueza, mas já tenho conciência que devo prosseguir em frente seguir meu caminho e deixar ela seguir o caminha dela. é um ciclo que se fecha e começo de um outro ciclo na minha vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

footer logo

Conheça o outro lado do empresário de sucesso. Aqui ele compartilha dicas de empreendedorismo e vida em equilíbrio para você encontrar a sua felicidade.


BUSCAR NO SITE